Tecnologia

Dentro da biblioteca da OpenAI

A biblioteca de dois andares tem tapetes orientais, abajures espalhados pelas mesas e fileiras de livros de capa dura nas paredes. É a peça arquitetónica central dos escritórios da OpenAI, a start-up cujo chatbot online, ChatGPT, mostrou ao mundo que as máquinas podem gerar instantaneamente a sua própria poesia e prosa.

O prédio, que já foi uma fábrica de maionese, parece um típico escritório de tecnologia, com seus espaços de trabalho comunitários, microcozinhas bem abastecidas e salas de descanso privadas espalhadas por três andares no Mission District, em São Francisco.

Mas depois há aquela biblioteca, com o ambiente de uma sala de leitura da Era Vitoriana. Suas prateleiras oferecem de tudo, desde “A Ilíada” de Homero até “O Início do Infinito” de David Deutsch, um dos favoritos de Sam Altman, presidente-executivo da OpenAI.

Construída a pedido de Altman e repleta de títulos sugeridos por sua equipe, a biblioteca OpenAI é uma metáfora adequada para a empresa de tecnologia mais quente do mundo, cujo sucesso foi alimentado pela linguagem – muita, muita linguagem. O chatbot da OpenAI não foi construído como um aplicativo comum de internet. O ChatGPT aprendeu suas habilidades analisando grandes quantidades de texto escrito, editado e curado por humanos, incluindo artigos de enciclopédias, notícias, poesia e, sim, livros.

A biblioteca também representa o paradoxo que está no cerne da tecnologia OpenAI. Autores e editores, incluindo o The New York Times, estão processando a OpenAI, alegando que a empresa usou ilegalmente seu conteúdo protegido por direitos autorais para construir seus sistemas de IA. Muitos autores temem que a tecnologia acabe por tirar-lhes o sustento.

Muitos funcionários da OpenAI, por outro lado, acreditam que a empresa está usando a criatividade humana para alimentar mais criatividade humana. Eles acreditam que o uso que fazem de obras protegidas por direitos autorais é “uso justo” perante a lei, porque estão transformando essas obras em algo novo.

“Dizer que este é um debate público neste momento é um eufemismo”, disse Shannon Gaffney, cofundadora e sócia-gerente da SkB Architects, o escritório de arquitetura que renovou a sede da OpenAI e projetou sua biblioteca. “Embora as coisas possam parecer que estão indo em direções diferentes, a biblioteca serve como um lembrete constante da criatividade humana.”

Quando a OpenAI contratou a empresa de Gaffney para reformar o prédio em 2019, Altman disse que queria uma biblioteca com aura acadêmica.

Ele queria que fosse uma lembrança da Biblioteca Verde, uma biblioteca românica da Universidade de Stanford, onde estudou por dois anos antes de abandonar os estudos para construir um aplicativo de mídia social; a Rose Reading Room, uma sala de estudos Beaux-Arts no último andar da Biblioteca Pública de Nova York, em Midtown Manhattan; e o bar parecido com uma biblioteca dentro do extinto Nomad Hotel, 15 quarteirões ao sul do Rose.

“Minha sala de jantar e sala de estar em casa ficam dentro de uma biblioteca – com livros do chão ao teto por toda parte”, disse Altman em uma entrevista. “Há algo em ficar no meio do conhecimento nas prateleiras em grande escala que considero interessante.”

Muitos títulos, como “Obras-primas inglesas, 700-1900” e “Ideias e imagens na arte mundial”, parecem os pesados ​​livros de capa dura que os decoradores profissionais colocam estrategicamente nos lobbies dos hotéis porque têm uma aparência adequada. Ainda assim, a biblioteca é um reflexo da organização que a construiu.

Em uma tarde recente, dois livros de bolso estavam lado a lado, na altura dos olhos: “Aves do Lago Merritt” (um guia de campo para as aves encontradas em um refúgio de vida selvagem em Oakland, Califórnia.) e “Fake Birds of Lake Merritt” (uma paródia escrita por GPT-3, uma versão inicial da tecnologia que impulsiona o ChatGPT).

Alguns funcionários veem a biblioteca como um local mais tranquilo para trabalhar. Long Ouyang, um pesquisador de IA, mantém uma mesa com rodinhas encostada na parede. Outros a veem como uma sala de descanso extraordinariamente elegante. Nos fins de semana, Ryan Greene, outro pesquisador, transmite sua música digital pelos alto-falantes colocados entre os livros de capa dura.

É, disseram outros funcionários, um lugar muito mais inspirador para trabalhar do que um cubículo. “É por isso que tantas pessoas optam por trabalhar na biblioteca”, disse Staudacher.

Recentemente, o Sr. Greene começou a inserir listas de seus livros favoritos no ChatGPT e a pedir novas recomendações. A certa altura, o chatbot recomendou “O Livro do Desassossego”, uma autobiografia publicada postumamente do escritor português Fernando Pessoa. Um amigo, que conhecia bem os seus gostos, recomendou-lhe que lesse o mesmo livro.

“Dadas as tendências e padrões de coisas que aconteceram no passado, a tecnologia pode sugerir coisas para o futuro”, disse Greene.

A Sra. Gaffney, do escritório de arquitetura OpenAI, argumentou que essa mistura do humano e da máquina continuará. Depois fez uma pausa, antes de acrescentar: “Isso, pelo menos, é o que espero e sinto”.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button