Notícias

Israel intensifica ataques enquanto agências humanitárias alertam Gaza à beira da catástrofe

Israel continuou o seu avanço militar em Gaza, com ferozes tiroteios urbanos entre as forças israelitas e os grupos armados palestinianos, tendo lugar no campo de Jabalia, no norte, até à cidade de Rafah, no sul, que faz fronteira com o Egipto.

No distrito de Jabalia, no norte, agora amplamente destruído, moradores disseram que tanques israelenses destruíram grupos de casas, mas enfrentavam forte resistência de combatentes do grupo palestino Hamas, que governa Gaza, e do grupo armado Jihad Islâmica Palestina (PIJ) na quarta-feira.

“Eles estão bombardeando casas em cima dos seus habitantes”, disse Abu Jehad.

A PIJ afirmou ter matado alguns soldados israelenses em Jabalia, enquanto os militares israelenses afirmaram ter eliminado muitos combatentes na área.

Israel enviou tropas de volta para áreas no norte de Gaza no início desta semana, depois de alegar que havia derrotado o Hamas meses atrás.

Os militares de Israel ordenaram mais evacuações dos bairros de al-Manshiya e Sheikh Zayyed, no norte de Gaza. As Nações Unidas estimam que cerca de 100 mil pessoas foram expulsas à força do norte nos últimos dias.

Na cidade de Gaza, várias pessoas foram mortas depois que as forças israelenses atacaram um grupo de palestinos no cruzamento da rua Jalaa com a rua al-Oyoun, informou a agência de notícias oficial palestina Wafa.

Pelo menos três corpos chegaram ao Hospital Al-Ahli Arab, na cidade de Gaza, bem como vários casos críticos, disse Wafa.

O número de mortos neste ataque, que teve como alvo um ponto de encontro para acesso à Internet, deverá aumentar, segundo Hani Mahmoud, da Al Jazeera.

“Esta não é a primeira vez que vemos este padrão de ataques a civis reunidos em grandes grupos, seja em pontos de distribuição de alimentos ou de ligação à Internet, ou mesmo num ponto alimentado por energia solar para carregar os seus telefones ou computadores”, disse Mahmoud.

Autoridades de saúde palestinas disseram que pelo menos 82 palestinos foram mortos nas 24 horas anteriores.

Ataques ‘vingativos’

O Hamas condenou os ataques contra civis em toda a Faixa, dizendo que são actos “fascistas e vingativos” que reflectem o estado de “derrota” do exército israelita.

Em Rafah, tanques israelitas concentraram-se em torno dos limites orientais de Rafah e, ​​nos últimos dias, têm investigado áreas urbanas da cidade, onde centenas de milhares de pessoas deslocadas procuraram abrigo contra bombardeamentos noutras partes de Gaza.

Moradores disseram que as forças israelenses invadiram três bairros e que os combatentes palestinos tentavam impedir que soldados e tanques se movessem em direção ao centro.

Grupos de ajuda humanitária, incluindo o Comité Internacional de Resgate (IRC), alertaram que estão a enfrentar perturbações significativas nas suas operações humanitárias, à medida que o exército israelita se desloca para a cidade para conduzir a sua amplamente criticada ofensiva terrestre.

“Regressei recentemente de Gaza, onde a escala da crise desafia a imaginação. As instalações no sul de Gaza foram transformadas em abrigos improvisados ​​que transbordam para as ruas”, disse Kiryn Lanning, líder da equipa do IRC para o território palestiniano ocupado.

“Esta população deslocada enfrenta agora uma escassez aguda de necessidades básicas, como alimentos, água e saneamento adequado”, acrescentou Lanning.

Na semana passada, depois de o exército israelita ter tomado e encerrado o lado palestiniano da passagem fronteiriça de Rafah, entre a Faixa de Gaza e o Egipto – um ponto de entrada vital para a ajuda humanitária – a agência da ONU para os refugiados palestinianos, UNRWA, alertou que os hospitais do sul de Gaza só tinham faltavam dias de combustível para o funcionamento de suas operações e que a entrada de combustível na Faixa era fundamental para evitar mais mortes.

As entregas esporádicas de ajuda a Gaza por camião diminuíram desde que as forças israelitas assumiram o controlo do lado de Gaza da travessia, em 7 de Maio.

Um comboio que transportava mercadorias de ajuda humanitária foi saqueado por israelitas de extrema-direita na segunda-feira, depois de ter atravessado a Jordânia através da Cisjordânia ocupada.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, afirmou que “não há catástrofe humanitária” em Rafah, onde cerca de 450 mil pessoas foram expulsas dos seus locais de abrigo desde a semana passada, segundo a ONU.

À medida que os combates se intensificam, as negociações de cessar-fogo mediadas pelo Qatar e pelo Egipto chegaram a um impasse, com o Hamas a exigir o fim permanente dos ataques e o governo de Netanyahu a afirmar que não irá parar até que o grupo seja aniquilado.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, instou Israel a produzir um plano claro para o futuro de Gaza no pós-guerra.

Netanyahu opôs-se à criação de um Estado palestiniano independente, que a maioria das potências estrangeiras vê como a única solução a longo prazo.

Ele disse que qualquer movimento para estabelecer uma alternativa ao Hamas como governo de Gaza exigia que o grupo palestiniano fosse primeiro eliminado e exigiu que este objectivo fosse prosseguido “sem desculpas”.

As suas observações, numa declaração em vídeo publicada online, seguiram-se a um desafio público do ministro da Defesa, Yoav Gallant, que acusou o governo de ter evitado uma discussão séria de uma proposta para uma administração palestiniana pós-guerra não-Hamas.

O chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, reiterou que o grupo rejeita qualquer acordo pós-guerra que não inclua o Hamas.

“Estamos aqui para ficar”, disse Haniyeh num comunicado na noite de quarta-feira, acrescentando que o grupo mantém as suas exigências de um cessar-fogo permanente em Gaza.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button