Notícias

Parlamento da Geórgia aprova projeto de lei sobre “agente estrangeiro”, desencadeando protestos massivos

Milhares de manifestantes saíram às ruas na Geórgia depois que o parlamento aprovou um projeto de lei sobre “agentes estrangeiros”, apesar da agitação generalizada no país e das advertências da União Europeia e dos Estados Unidos.

O projecto de lei exige que os meios de comunicação social e as ONG se registem como “que defendem os interesses de uma potência estrangeira” se receberem mais de 20 por cento do seu financiamento do estrangeiro. É visto por muitos como influenciado por legislação semelhante na Rússia, que tem sido usada para reprimir os oponentes políticos e dissidentes do Kremlin.

Na terça-feira, os políticos votaram 84 a 30 a favor durante a terceira e última leitura do projeto.

Os manifestantes enfrentaram a tropa de choque na rua em frente ao edifício do parlamento, no centro da capital, Tbilisi, onde as manifestações ocorreram no último mês.

Brigas eclodiram até mesmo dentro da câmara, enquanto parlamentares da oposição entravam em confronto com membros do partido governante Georgian Dream.

Políticos georgianos brigando durante uma sessão do parlamento em Tbilisi [Mtavari Channel via AP]

O projecto vai a seguir para a Presidente Salome Zourabichvili, que disse que o vetará, mas a sua decisão pode ser anulada por outra votação no parlamento, que é controlado pelo Georgian Dream e seus aliados.

Os críticos dizem que o projeto de lei é um símbolo da aproximação da ex-república soviética à órbita da Rússia nos últimos anos.

Gritando “não à lei russa”, cerca de 2.000 manifestantes, na sua maioria jovens, reuniram-se em frente ao parlamento antes da votação e vários milhares juntaram-se à manifestação à noite, depois de se espalhar a notícia de que os legisladores tinham aprovado a medida.

Mais tarde, os manifestantes bloquearam o tráfego num importante cruzamento rodoviário no centro de Tbilisi.

O Ministério do Interior disse que 13 manifestantes foram presos por “desobedecer às ordens da polícia”.

A UE afirmou que a lei é “incompatível” com a tentativa de longa data da Geórgia de aderir ao bloco de 27 nações.

No ano passado, foi concedida à Geórgia a candidatura oficial à UE e o bloco deverá decidir em Dezembro sobre o lançamento formal das negociações de adesão, uma perspectiva improvável se a lei entrar em vigor.

Durante uma visita à Geórgia, o secretário de Estado adjunto dos EUA, Jim O'Brien, disse que os EUA poderiam impor “restrições de viagens e sanções financeiras contra os indivíduos envolvidos e as suas famílias” se a lei não for colocada em conformidade com os padrões ocidentais e se houver violência contra pessoas pacíficas. manifestantes.

Ele também alertou que cerca de 390 milhões de dólares atribuídos este ano pelos EUA à Geórgia seriam “sob revisão se formos agora vistos como um adversário e não como um parceiro”.

O Georgian Dream descreveu os manifestantes como turbas violentas, insistiu que está empenhado em aderir à UE e disse que o projeto de lei visa aumentar a transparência do financiamento das ONG.

A controvérsia em torno do projeto de lei surge cinco meses antes de uma eleição parlamentar vista como um teste democrático crucial para o país do Mar Negro.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button