Notícias

Gêmeos siameses extremamente raros nascidos na Indonésia têm 4 braços e 3 pernas

Os gêmeos nasceram em 2018, mas o relato do caso foi publicado esta semana.

Em uma ocorrência extremamente rara, gêmeos siameses nascidos na Indonésia têm quatro braços, três pernas e genitália compartilhada. Esses gêmeos são cientificamente conhecidos como ischiopagus tripus e representam um fenômeno em dois milhões. Apenas um punhado desses gêmeos siameses, também chamados de “gêmeos aranha”, foi registrado – o caso dos meninos indonésios foi publicado em Jornal Americano de Relatos de Casos. Os gêmeos nasceram em 2018, mas o caso foi publicado na revista esta semana.

“A raridade de gêmeos siameses ischiopagus tripus complica a separação cirúrgica, devido à falta de casos e à alta complexidade”, escreveram os autores no Jornal Americano de Relatos de Casos.

Eles são definidos como aqueles que estão conectados pela metade inferior do corpo, em vez da parte superior do tronco.

Em mais de 60% desses casos, um dos gêmeos morre ou nasce morto. Mas essas crianças sobreviveram a todas as probabilidades. Os irmãos, no entanto, tiveram que ficar deitados durante os primeiros três anos, pois a estrutura corporal única os impedia de sentar-se.

O relato do caso diz que os cirurgiões amputaram a terceira perna – que geralmente são duas pernas fundidas – e estabilizaram os quadris e as pernas para que os irmãos pudessem sentar-se eretos de forma independente.

Uma consulta de acompanhamento três meses após a cirurgia revelou que os gêmeos não sofreram complicações.

Os gêmeos não estão separados e não se sabe se os médicos tentarão uma cirurgia tão complicada.

Ainda assim, os médicos acreditam que o caso realça que “ainda há espaço para que seja realizada correção cirúrgica” nos casos em que a separação não é possível.

Um nascimento como esse ocorre quando o embrião se separa apenas parcialmente para formar duas pessoas devido a um defeito congênito de nascença, conforme a Clínica Mayo.

Enquanto os bebês se desenvolvem a partir desse embrião, eles permanecem fisicamente unidos, na maioria das vezes “no peito, abdômen ou pélvis”.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button