Ciência

Novas células podem ser a chave para o tratamento da obesidade

Novas células descobertas no tecido adiposo omental humano inibem a formação de células adiposas, revelando por que o formato do corpo em forma de “maçã” pode representar maiores riscos metabólicos para a saúde.

Imagem: Imagens fluorescentes de microscopia confocal de uma seção de tecido adiposo omental humano (gordura visceral), representando a camada de células mesoteliais ao redor dos lóbulos de adipócitos. Na imagem, os adipócitos são visualizados com coloração contra perilipina 1 (PLIN1, em amarelo), enquanto as células mesoteliais são coradas com TM4SF1 (verde) e MSLN (rosa). A coloração DAPI foi usada para visualizar núcleos celulares (ciano). Crédito: Dra. Radiana Ferrero e Julie Russeil (EPFL)

Compreender como o tecido adiposo se forma e funciona é crucial para tratar a obesidade e doenças metabólicas relacionadas. No entanto, o tecido adiposo, ou gordura corporal, comporta-se de forma diferente com base na sua localização no corpo.

Tomemos, por exemplo, o omento: um grande tecido adiposo em forma de avental pendurado no estômago que cobre órgãos dentro do peritônio, como o estômago e os intestinos. Ele não apenas armazena gordura, mas também desempenha papéis na regulação imunológica e na regeneração dos tecidos.

O tecido adiposo omental está associado ao formato corporal em “maçã”, que surge quando esse depósito de gordura se expande significativamente, aumentando o risco de doenças metabólicas. Essa expansão não se deve à formação de novas células de gordura, processo conhecido como adipogênese, mas principalmente ao aumento das células existentes, processo denominado hipertrofia. Isso pode levar à inflamação crônica e à resistência à insulina.

A capacidade limitada da gordura omental de formar novas células adiposas, apesar do excesso calórico, contrasta com a gordura subcutânea e permanece pouco compreendida. Agora, cientistas liderados pelo professor Bart Deplancke da EPFL identificaram uma população de células no tecido adiposo omental humano que dificulta a adipogênese. A descoberta, publicada em Metabolismo Celularfornece um novo ângulo sobre a capacidade limitada da gordura omental de realizar a adipogênese e tem implicações significativas para o controle da obesidade.

Os pesquisadores usaram sequenciamento avançado de RNA unicelular para analisar células de vários depósitos de gordura humana, isolando diferentes subpopulações celulares e testando sua capacidade de se transformar em novas células de gordura. O estudo, apoiado por diversas instituições médicas, incluindo o CHUV, envolveu mais de trinta doadores humanos para fazer uma comparação detalhada entre diferentes locais de gordura.

A abordagem identificou uma população de células presentes no tecido adiposo omental que pode muito bem ser a chave para explicar suas propriedades incomuns. Essas células, denominadas células mesoteliais, geralmente revestem certas cavidades internas do corpo como uma camada protetora.

Entre estas células mesoteliais, algumas transitaram estranhamente para mais perto das células mesenquimais, que podem evoluir para uma variedade de tipos de células, incluindo adipócitos (células de gordura). Esta transição dinâmica entre estados celulares pode ser um mecanismo chave através do qual estas células exercem a sua influência no potencial adipogénico do tecido adiposo omental.

O estudo descobriu que as propriedades semelhantes ao mesenquima destas células estão associadas a uma maior capacidade de modular o seu microambiente, fornecendo um mecanismo regulador para limitar a expansão do tecido adiposo. Ao alternar entre estes dois estados, as células podem assim ser capazes de influenciar o comportamento metabólico global do depósito de gordura omental e a sua capacidade de acumular gordura sem desencadear complicações metabólicas.

“É importante ressaltar que também descobrimos pelo menos parte do mecanismo molecular pelo qual esta nova população de células omentais afeta a adipogênese”, diz Radiana Ferrero (EPFL), uma das principais autoras do estudo. “Especificamente, as células expressam altos níveis de proteína 2 de ligação ao fator de crescimento semelhante à insulina. [IGFBP2], uma proteína conhecida por inibir a adipogênese, e secretar essa proteína no microambiente das células. Isso, por sua vez, afeta receptores específicos nas células-tronco e progenitoras adiposas próximas, impedindo efetivamente que se desenvolvam em células adiposas maduras”.

“As descobertas têm implicações profundas para a compreensão e potencial gestão da obesidade metabolicamente prejudicial à saúde”, explica Pernille Rainer (EPFL), outra investigadora principal do estudo. “Saber que a gordura omental tem um mecanismo integrado para limitar a formação de células adiposas pode levar a novos tratamentos que modulam esse processo natural. Além disso, a pesquisa abre possibilidades para terapias direcionadas que poderiam modular o comportamento de depósitos de gordura específicos”.

Referências

Radiana Ferrero, Pernille Yde Rainer, Marie Rumpler, Julie Russeil, Magda Zachara, Joern Pezoldt, Guido van Mierlo, Vincent Gardeux, Wouter Saelens, Daniel Alpern, Lucie Favre, Nathalie Vionnet, Styliani Mantziari, Tobias Zingg, Nelly Pitteloud, Michel Suter, Maurice Matter, Kai-Uwe Schlaudraff, Carles Canto e Bart Deplancke. Uma população estromal semelhante ao mesotelial específica do omento humano inibe a adipogênese através da secreção de IGFBP2. Metabolismo Celular 09 de maio de 2024. DOI: 10.1016/j.cmet.2024.04.017

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button