Entretenimento

O grande charuto é uma aventura divertida, mas recheada, da nova Hollywood

The Big Cigar, uma nova edição limitada série na Apple TV+ que estreia em 17 de maio, dramatiza uma história real e selvagem do período da Nova Hollywood da década de 1970.

Huey P. Newton, o cofundador do Partido dos Panteras Negras, fez amizade com um grupo de figuras da contracultura que governavam Tinseltown na época.

Bert Schneider e Steve Blauner fizeram parte da geração que trouxe os valores da contracultura dos anos 1960 para a indústria cinematográfica através de filmes como Easy Rider e Five Easy Pieces, bem como do trabalho de The Monkees.

Isto também implicou financiar e apoiar causas políticas de esquerda, incluindo o trabalho dos Panteras Negras.

Mas essa abordagem tinha seus limites.

A série, que consiste em seis episódios com duração aproximada de 40 minutos cada, foi produzida por Jim Hecht, um produtor executivo de Winning Time.

Don Cheadle está entre os diretores dos episódios.

Revolução e cocaína

No início do Big Cigar, Schneider exclama: “Quero financiar a revolução!” antes de se virar e cheirar uma linha de cocaína, que fixa este período da história no microcosmo.

 André Holanda em

The Big Cigar começa em 1974, com Newton chegando à porta de seu amigo Schneider em Hollywood Hills e pedindo passagem para Cuba.

Ele está fugindo de acusações criminais em Oakland – incluindo a do assassinato de uma trabalhadora do sexo de 17 anos – e não está extremamente disposto a voltar para a prisão.

Os próximos seis episódios seguem o longo e tortuoso esquema para levá-lo até lá, com o FBI os seguindo o tempo todo. O plano tem muitos trancos e barrancos e envolve muitos reagrupamentos.

The Big Cigar é um show fascinante e divertido.

Os papéis principais são bem interpretados e a produção acerta com sucesso todos os detalhes do período da década de 1970, especialmente as roupas, cortes de cabelo e móveis.

Imprima a legenda

André Holland e Alessandro Nivola em

The Big Cigar se apega aos fatos do que aconteceu? Não inteiramente, e é sincero sobre isso.

Newton ainda consegue um discurso climático sobre “quando a lenda se tornar realidade, imprima a lenda.”

Mas se a série tem um ponto fraco, ela higieniza um pouco as coisas.

Provavelmente havia muito mais drogas e violência neste meio do que The Big Cigar nos mostra, e o programa parece agnóstico quanto à questão aparentemente importante de saber se Newton era culpado de cometer aquele assassinato, entre outros crimes dos quais foi acusado ao longo dos anos.

E o que dizer da revolução que era o objetivo de Newton e Schneider?

Nunca teve sucesso, com Newton acabando morto em uma esquina de Oakland em 1989.

No momento dos acontecimentos do programa, até mesmo a era da Nova Hollywood estava se aproximando do seu declínio inevitável.

E precisava ser uma série de seis partes em vez de um filme? Não estou convencido…

Quando Bert conheceu Huey

Andre Holland como Huey P. Newton em The Big Cigar da Apple TV +

O programa está particularmente interessado na dinâmica fascinante entre Schneider e Newton, dois homens de mundos muito diferentes: o revolucionário negro de Oakland e o judeu branco nativo de Nova York, cujo pai era o presidente da Columbia Pictures.

Ao que tudo indica, os dois homens tinham grande afeição um pelo outro, embora ambos conseguissem coisas que queriam um do outro.

“Huey transmitiu a sensação de constrangimento desses caras sobre de onde eles vieram e que tipo de privilégio eles receberam”, disse o roteirista Buck Henry sobre a dinâmica do livro de Peter Biskind, Easy Riders, Raging Bulls.

“E em troca, ele colocou um monte de lindas garotas brancas aos seus pés.”

Embora Schneider fosse conhecido por suas amizades e relacionamentos com celebridades daquele período, não passamos muito tempo com essas estrelas.

Jack Nicholson, Candice Bergene Dennis Hopper aparecem brevemente, todos interpretados por atores menos conhecidos, e não são o foco do programa.

Um elenco de primeira

PJ Byrne como Steve Blauner em The Big Cigar (Apple TV)

Andre Holland, conhecido por seu papel em Moonlight e em Castle Rock, interpreta o grandioso Newton, comandando a tela. Alessandro Nivola, há muito um ator subestimado, mais do que se destaca como Schneider.

PJ Byrne, mais conhecido como Rugrat de O Lobo de Wall Street, interpreta outro companheiro tenso, embora o terceiro membro de sua produtora BBS, Bob Rafelson, esteja quase ausente.

Tiffany Boone, de O Chi e pequenos incêndios por toda partefaz um trabalho memorável como a namorada que virou esposa de Newton, Gwen Fontaine, enquanto Glynn Thurman tem algumas ótimas cenas como o pai de Newton.

Marc Menchaca interpreta o principal agente do FBI, em sua maioria inepto, que se disfarça de hippie e manteve as roupas, a barba e o cabelo.

A fonte

The Big Cigar é baseado no artigo de 2012 da revista Playboy de Joshuah Bearman.

Embora embeleze um detalhe aqui ou ali, segue principalmente as batidas do material de origem.

Muitos eventos que achei que poderiam ter sido fantásticos, como um tiroteio no Canter's Deli, vieram direto do artigo da revista.

Moses Ingram e Andre Holland no Big Cigar, na Apple TV+

A certa altura, Schneider e Brauner discutem a trama do contrabando como se fosse uma produção cinematográfica.

Não é uma coincidência entre isso e o cenário dos anos 70 se isso soa semelhante a Argo; aquele filme vencedor do Oscar foi baseado em um artigo de revista do mesmo autor.

No entanto, a parte do “filme falso” acaba sendo uma parte muito menor da história em The Big Cigar.

Esses eventos também serão familiares aos fãs de Biskind livroque tratou a história com um pouco mais de ceticismo.

Esse também foi o caso de The Offer, a série de streaming sobre o making of de O Poderoso Chefão, eventos também abordados em Easy Riders e Raging Bull, entre vários outros livros sobre a Hollywood dos anos 1970.

Acendendo o charuto

Em última análise, The Big Cigar provavelmente atrairá muito aqueles que conhecem essa história ou mesmo aqueles que estão passando frio.

Ainda assim, a história poderia ter funcionado melhor como um longa-metragem de duas horas do que como uma minissérie de 240 minutos.

Estevão Prata é redator da TV Fanatic. Você pode acompanhar mais de seu trabalho em seu Substack O SS Ben Hecht, de Stephen Silver.Você pode segui-lo no X.



Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button