Notícias

Biden diz que Israel concordou com proposta de cessar-fogo ‘duradouro’ em Gaza

Israel concordou com uma proposta que levaria a um cessar-fogo “duradouro” na Faixa de Gaza, anunciou o presidente dos EUA, Joe Biden, enquanto enfrenta crescentes pressões e críticas sobre o seu apoio ao esforço de guerra israelita.

Durante uma entrevista coletiva na Casa Branca na tarde de sexta-feira, Biden disse que Israel apresentou “uma nova proposta abrangente” para acabar com a guerra.

“É um roteiro para um cessar-fogo duradouro”, disse o presidente dos Estados Unidos aos jornalistas.

Biden disse que a proposta envolve três fases, a primeira das quais duraria seis semanas e incluiria um cessar-fogo total e completo, bem como a retirada das forças israelitas de todas as áreas povoadas de Gaza.

A primeira fase também veria uma série de cativos detidos na Faixa de Gaza – incluindo mulheres e idosos – libertados em troca de centenas de prisioneiros palestinianos em Israel, enquanto a ajuda humanitária fluiria para Gaza.

“Há reféns americanos que seriam libertados nesta fase e nós os queremos em casa”, disse Biden, que afirmou que o Qatar transmitiu a proposta ao grupo palestiniano Hamas, que governa Gaza.

O Hamas e o governo israelense não comentaram imediatamente os comentários de Biden na sexta-feira.

O anúncio surge num momento em que os esforços para alcançar um cessar-fogo falharam devido à investida militar israelita na cidade de Rafah, no sul de Gaza, que deslocou à força cerca de 1 milhão de palestinianos no último mês.

Os ataques mortais israelitas a Rafah nas últimas semanas mataram dezenas de palestinianos e alimentaram a indignação global. Mais de 36 mil palestinos foram mortos no bombardeio de Gaza por Israel desde o início da guerra, no início de outubro.

O enclave costeiro também está sob cerco israelense, o que levou a uma terrível escassez de alimentos, água e outros suprimentos humanitários, e gerou alertas de fome.

Pressão sobre Biden

À medida que a crise em Gaza se aprofunda, Biden tem enfrentado protestos e críticas generalizadas pelo seu firme apoio militar e diplomático a Israel durante a guerra.

Apesar da crescente raiva face à ofensiva de Israel – incluindo os recentes ataques mortais à cidade de Rafah, no sul de Gaza – e dos avisos de que corre o risco de perder a reeleição devido à sua posição, a política do presidente dos EUA permaneceu praticamente inalterada.

Uma nova pesquisa divulgada esta semana mostrou que Biden desfrutava de menos de 20% de apoio entre os árabes-americanos, um eleitorado chave em vários estados indecisos dos EUA que poderia decidir a próxima votação.

Biden deve enfrentar seu antecessor republicano, Donald Trump, em 5 de novembro, no que se espera ser uma disputa acirrada.

Uma prolongada guerra israelita em Gaza – que poderá prolongar-se por mais sete meses, pelo menos, segundo o conselheiro de Segurança Nacional de Israel, Tzachi Hanegbi – prejudicará as perspectivas de reeleição de Biden, dizem os especialistas.

“Os sinais são claros. A escrita está na parede”, disse Josh Ruebner, professor do programa Justiça e Paz da Universidade de Georgetown, à Al Jazeera esta semana.

“E se Biden decidir continuar com este apoio firme a Israel por mais sete meses, isso não só matará dezenas de milhares de palestinos a mais, mas também fará com que ele perca as eleições.”

Em declarações à Al Jazeera na sexta-feira, o analista político palestino Nour Odeh disse que a proposta não parece ser diferente “de nenhuma forma fundamental” daquelas que foram apresentadas anteriormente.

O que foi surpreendente, no entanto, é que Biden “se colocou em risco”, disse Odeh.

“Ele disse que os EUA garantiriam que Israel cumpriria a sua parte no acordo, desde que os mediadores conseguissem levar o Hamas a aceitar o acordo e a cumprir a sua parte no acordo”, disse ela.

“Esta é a primeira vez que ouvimos o Presidente dos Estados Unidos, o aliado mais importante de Israel, dizer: 'Este acordo está sobre a mesa, é bom e todos deveriam aceitá-lo.' E penso que será difícil para o Hamas resistir ao tipo de pressão que lhe será aplicada, sem dúvida.”

Próximas fases

No seu discurso na Casa Branca, Biden disse que a segunda fase da proposta de cessar-fogo levaria à libertação de “todos os reféns vivos restantes” em Gaza, à retirada das forças israelitas do território e à “cessação permanente das hostilidades”.

“Agora vou ser franco com vocês, há uma série de detalhes a serem negociados para passar da fase um para a fase dois”, disse ele.

“Mas a proposta diz que se as negociações demorarem mais do que [the] seis semanas após a primeira fase, o cessar-fogo continuará enquanto as negociações continuarem.”

Os EUA, juntamente com o Catar e o Egito, trabalharão para manter essas negociações em andamento, acrescentou Biden.

Por último, um plano de reconstrução para Gaza começaria na fase três da proposta e os restos mortais de quaisquer cativos mortos seriam devolvidos às suas famílias.

Embora Biden tenha dito que Israel concordou com o plano, ele observou que alguns israelenses – incluindo membros do governo de coalizão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu – discordarão da proposta e pedirão que a guerra continue.

“Eles deixaram claro: querem ocupar Gaza. Eles querem continuar lutando por anos. Os reféns não são uma prioridade para eles. Bem, peço à liderança de Israel que apoie este acordo, apesar de qualquer pressão que possa surgir”, disse Biden.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button