Notícias

Israel invadiu 32% de Gaza, mostra investigação da Al Jazeera

O território de Gaza foi reduzido por uma zona tampão que serpenteia em torno da sua fronteira e um amplo eixo rasgado no seu centro.

Israel conquistou cerca de 32 por cento da área de Gaza ao “demolir sistematicamente bairros” para criar uma zona tampão e um eixo central que a divide, de acordo com a Agência de Verificação Sanad da Al Jazeera.

Isto não inclui a área do Corredor de Filadélfia, na fronteira do Egipto, que Israel declarou ter assumido o controlo na quinta-feira.

A destruição completa de áreas em Gaza ocorreu rápida e lentamente, através de ataques aéreos, ataques de artilharia e escavadoras.

“Não há lugar seguro em Gaza” e uma vida humana digna é “quase uma impossibilidade”, disse Martin Griffiths, subsecretário-geral para assuntos humanitários e coordenador de ajuda de emergência.

“Mesmo que as pessoas pudessem voltar para casa, muitas não têm mais casas para onde ir.”

Aproximadamente 85 por cento da população de Gaza, ou 1,9 milhões de pessoas, foram deslocadas, segundo a ONU. Metade deles foram deslocados somente neste mês.

Durante a Nakba em 1948, cerca de 700 mil palestinos foram expulsos das suas casas e aldeias por gangues sionistas para abrir caminho à criação do Estado de Israel.

Mais de 36 mil palestinianos foram mortos desde 7 de Outubro, já mais do dobro do número de mortos durante os anos 1947-1949. Acredita-se que muitos mais estejam mortos sob os escombros e a destruição.

[Al Jazeera]

A análise de imagens de satélite de Sanad mostrou taxas de destruição de 80-90 por cento nos 120 quilómetros quadrados (46 milhas quadradas) que Israel ocupou.

Com o ataque de Israel a Gaza ainda não terminado, o território poderá ser ainda mais reduzido.

Um mapa construído por Sanad mostra que as fronteiras de Gaza foram empurradas para dentro e uma faixa de 1,5 km de largura (0,93 milhas) que percorre 6,5 km (quatro milhas) no centro da área de Juhor ad-Dik, conhecida como eixo Nezarim.

Identifica também a profundidade da destruição e da destruição que os militares israelitas conduziram nas zonas fronteiriças e no centro de Gaza.

A análise mostra que as áreas na faixa sitiada e sitiada foram “completamente arrasadas e demolidas” e que “as operações de remoção ocorreram num padrão regular” para transformar o que a ONU uma vez chamou de “zonas de perigo” numa zona tampão.

Na província do norte, Sanad descobriu que a área de destruição cometida pelas forças israelenses na cidade de Beit Hanoon se estendia por 2,5 km (1,5 milhas) da fronteira de Gaza, enquanto cinco quilômetros (3,1 milhas) foram consumidos em Beit Lahiya e três quilômetros (1,9 milhas) foram consumidos em Beit Lahiya. milhas) no acampamento de Jabalia.

A destruição no campo de refugiados de Bureij e no campo de Maghazi atingiu 1,7 km (uma milha) e dois quilómetros (1,2 milhas) da fronteira, respectivamente.

A província do sul é a mais afetada até agora.

As áreas de Kissufim e Bani Suhaila, ambas a leste de Khan Younis, viram a destruição estender-se a 3,7 (2,3 milhas) e quatro quilómetros (2,5 milhas) da fronteira, respectivamente.

Na cidade de Rafah, a destruição estende-se por 5,1 km (3,2 milhas) desde a fronteira até ao bairro de As-Salam.

Os militares israelitas alegaram que estão a tentar desarmar o Hamas, mas deram poucas indicações ou provas verificáveis ​​de que os seus esforços estejam a ter qualquer impacto estratégico.

Em 23 de Janeiro, o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse num comunicado que os EUA se opunham a qualquer mudança permanente na composição territorial de Gaza e rejeitavam o deslocamento permanente da sua população.

No entanto, continuam extensas operações de demolição e remoção. Israel já havia solicitado 100 escavadeiras D9 para expandir e acelerar o estabelecimento da zona tampão.

“Estas descobertas e factos revelam a metodologia colonialista em que o exército israelita está a trabalhar, ao reduzir a área de Gaza, criar novas fronteiras dentro das fronteiras e impô-las como uma nova realidade dentro e fora da Faixa de Gaza sitiada”, disse Sanad.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button