Negócios

Uma grande decisão para o próximo CEO da Boeing: é hora de um novo avião?

Há mais de uma década, os executivos da Boeing tomaram uma decisão crucial: para acompanhar o principal rival da empresa, a Airbus, desistiram da ideia de desenvolver um novo avião e correram para atualizar o 737, o jato mais popular da empresa.

Esse esforço culminou no 737 Max, que sofreu dois acidentes fatais em 2018 e 2019 e atraiu mais atenção este ano, quando um painel de um dos aviões explodiu durante um voo em janeiro. Os problemas do jato deixaram a Boeing atrás da Airbus no mercado global de aviões de corredor único, que já dominou.

Agora, a Boeing, que deverá nomear um novo presidente-executivo até ao final do ano, tem de fazer outra escolha crítica: quando deverá desenvolver o seu próximo avião totalmente novo?

Se a empresa der um passo em falso, poderá gastar milhares de milhões de dólares e ainda perder quota de mercado para a Airbus, com sede em Toulouse, França. Ambos os fabricantes também enfrentam uma ameaça distante, mas crescente, da China e uma pressão crescente para reduzir as emissões que provocam o aquecimento do planeta.

“Essa será uma das decisões mais importantes para quem assumir o papel de CEO”, disse Ken Herbert, analista aeroespacial e de defesa da RBC Capital Markets. “O legado deles será definido pelo que fizerem com o portfólio.”

A Boeing se recusou a comentar esta história.

Os aviões comerciais são geralmente divididos em dois grupos. Aviões de corpo estreito ou de corredor único, como o 737, normalmente transportam de 100 a 200 passageiros em voos domésticos nos EUA. Aviões de fuselagem larga, ou de corredor duplo, podem levar mais passageiros para lugares mais distantes – de, digamos, Nova York a Londres ou Tóquio.

A Boeing e a Airbus vendem muito mais jatos de fuselagem estreita, mas as companhias aéreas exigem cada vez mais versões maiores desses aviões devido aos portões e capacidade de pista limitados em muitos aeroportos e à crescente demanda por viagens.

O Max foi projetado para competir com a família de aviões Airbus A320neo. Especialistas dizem que o veredicto dessa disputa é claro: a Boeing perdeu. Companhias aéreas de todo o mundo encomendaram muito mais jatos Airbus, especialmente o maior, o A321neo. A liderança da empresa europeia foi solidificada após os acidentes do Max – que os especialistas atribuíram a más decisões de design e engenharia – e a subsequente proibição global de 20 meses do avião.

Em 2019, pela primeira vez, a Airbus teve mais aviões de passageiros voando ao redor do planeta do que a Boeing, de acordo com a Cirium, uma fornecedora de dados de aviação.

O Max continua popular, especialmente entre as companhias aéreas dos Estados Unidos, que têm uma longa história de pilotar aviões Boeing. A empresa está trabalhando para atender cerca de 4.300 pedidos do Max, uma carteira de pedidos no valor de centenas de bilhões de dólares. Mas a Airbus vendeu muito mais da família A320neo, com mais de 7.100 pedidos pendentes para as três variantes desse avião.

A Boeing ainda lidera quando se trata de aviões maiores de corredor duplo, mas o domínio da Airbus no lucrativo mercado de corredor único pode ser auto-reforçado, dizem os especialistas. Com mais vendas chegando, a Airbus pode investir mais em pesquisa e desenvolvimento. Com mais aviões voando, pode ganhar mais com a venda de peças de reposição e a prestação de serviços.

“Durante todo o tempo em que a Boeing apagou incêndios, a Airbus apenas administrou seus negócios”, disse Ron Epstein, analista aeroespacial e de defesa do Bank of America.

A Boeing também extraiu tudo o que pôde do 737, que estreou no final da década de 1960. Ao desenvolver o Max, a empresa levou a estrutura do avião ao seu limite. É provável que seu próximo avião seja construído do zero, disseram especialistas em aviação.

Não estava claro como seria esse novo jato ou quando ele chegaria.

Dave Calhoun, presidente-executivo da Boeing, disse que a empresa não lançará um novo avião até meados da década de 2030 – em parte porque um esforço tão monumental só valeria a pena quando empresas como General Electric, Rolls-Royce e Pratt & Whitney introduzissem mais motores eficientes.

Mas construir um novo avião poderia ajudar a Boeing a preencher uma lacuna importante no mercado de jatos maiores e de fuselagem estreita, disseram alguns especialistas.

O avião mais popular da Airbus, de longe, é o A321neo, que tem mais assentos e pode viajar mais longe dos três modelos neo da empresa. A resposta da Boeing a esse avião, o 737 Max 10, não voa tão longe e ainda não foi aprovada pelos reguladores.

Epstein, do Bank of America, estimou no ano passado que a Boeing poderia vender 6.500 jatos maiores de corredor único para companhias aéreas, principalmente para substituir aviões menores de fuselagem estreita. Esse jato poderia ser desenvolvido em sete a oito anos, com um investimento de até US$ 20 bilhões, com a Boeing gerando pelo menos cinco vezes mais lucro bruto, disse ele na época.

Alguns especialistas em aviação também argumentam que a Boeing e Calhoun foram muito cautelosos ao se comprometerem com um novo avião, que, segundo eles, poderia ser mais eficiente mesmo sem esperar por novos motores. Materiais mais novos, diferentes tipos de asas e outros avanços poderiam ajudar a Boeing a alcançar melhorias significativas, disseram.

“Se você apresentar às companhias aéreas um avião razoavelmente bom, elas o aceitarão”, disse Michel Merluzeau, analista da AIR, uma empresa de consultoria aeroespacial e de defesa.

Quanto mais tempo a Boeing leva para construir um novo avião, dizem alguns, mais tempo a Airbus terá para expandir sua liderança. E embora os novos motores prometam grandes ganhos de eficiência, na prática podem ficar aquém. As companhias aéreas também podem demorar a comprar aviões equipados com esses motores, especialmente depois de problemas com os motores da geração atual, que precisaram de mais reparos e por mais tempo do que o esperado.

Mas outros disseram que seria sensato a Boeing esperar. Se a empresa agir cedo demais, a Airbus poderá lançar uma aeronave ainda mais nova e melhor.

A maioria dos analistas espera que a Airbus lance um novo avião em meados da próxima década, mais ou menos na mesma época que Calhoun almejou. Especialistas em aviação discordam sobre se a Airbus agiria primeiro ou esperaria para seguir a Boeing, mas dizem que o fabricante europeu está bem posicionado para qualquer uma das abordagens.

Desenvolver um novo avião é uma tarefa enorme. Ao contrário dos aviões de fuselagem larga, os jatos de fuselagem estreita são vendidos em maior número e, portanto, precisam ser produzidos rapidamente; Boeing e Airbus pretendem produzir dezenas todos os meses. Para acomodar esse ritmo, a Boeing terá de desenvolver um sistema de produção complexo e preparar os seus fornecedores. As companhias aéreas provavelmente também terão de estar dispostas a treinar pilotos para um novo jato, um processo caro e demorado.

Em última análise, qualquer novo avião também terá que durar décadas, disse Calhoun em entrevista ao Aviation Week, uma publicação comercial, no ano passado.

“Vinte anos é um desastre; 30 anos é um desastre”, disse ele. “Eles têm que durar 50 anos.”

É claro que a Boeing não começaria do zero. A empresa e a Airbus estão constantemente desenvolvendo e lançando novas técnicas, tecnologias e ferramentas. A Boeing pode aplicar as lições aprendidas em outros lugares, por exemplo, no desenvolvimento do 787 Dreamliner de fuselagem larga, que foi entregue pela primeira vez a uma companhia aérea em 2011, ou no próximo 777X, uma versão mais eficiente de um avião Boeing de fuselagem larga existente, cuja asa a empresa farei internamente com materiais compósitos.

A empresa também está trabalhando em tecnologias experimentais. Com a NASA, a Boeing está desenvolvendo uma asa mais longa e mais fina apoiada por suportes, um projeto conhecido como Transonic Truss-Braced Wing. Também mantém um programa de pesquisa conhecido como ecoDemonstrator, que utiliza aviões modificados para testar novas tecnologias. Tanto a Boeing como a Airbus também estão a experimentar separadamente a utilização de combustíveis sustentáveis, que podem ser produzidos a partir de óleo de cozinha usado, resíduos, milho e outros materiais.

Especialistas em aviação disseram que a construção de um novo avião poderia gerar um novo entusiasmo para a empresa após os problemas recentes.

“Se eles puderem tornar mais fácil para as pessoas gostarem deles, acho que descobrirão que há bastante apoio para um Boeing novo e melhorado”, disse Rob Stallard, analista que cobre Boeing e Airbus na Vertical. Parceiros de pesquisa.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button